Street Art – Rio | Arte de rua – Rio

O acervo está aberto: Passei 10 anos fotografando no Grande Centro do Rio de Janeiro | After 10 years photographing the urban art of Rio de Janeiro, the exhibition is open.

Detesto museus,” brinco, só que não. Gosto não se discute — lógico — mas o meu tempo livre e férias raramente são ocupados com as visitações turísticas para ver um monte de coleções de objetos, desprovidos dos seus respectivos contextos e colocados numas amostras estéreis, feitas num CTI. “Você vai. Te encontro no bar depois” é como eu vazei várias vezes para rua, onde fico à vontade num lugar que não deixa de ser museu — e sem nenhuma falta de contexto. | “I hate museums,” I jest — sort of. Taste is taste, I suppose, but my free time and vacation choices rarely include visits to collections of bunches of objects taken out of their context and put on sterile display, as if an intensive care unit. “You go; I’ll meet you later in the bar,” is how I’d escape to just wander the streets, which are also a museum– but where there is no lack of context.

Posso até me virar para passar umas horinhas num museu de arte, até porque tais obras ficam sem seus respectivos contextos numa boa (menos arte contemporânea!) Mesmo assim, eu, com certeza, ficarei mais interessado nas possibilidades de comida e bebida depois do passeio. | I can manage a couple of hours in an art museum, because most artwork can stand without their context (except for contemporary!), but I will most certainly be much more interested in subsequent food and drink.

As ruas do Rio de Janeiro contém umas das minhas coleções prediletas, e reparei que é toda uma coletânea que venho catalogando há muitos anos. Testemunhei o trabalho de grandes pintores — extraordinários — e como captam toda uma história de tristeza, orgulho e encanto do esfero urbano que é bélico ao mesmo tempo que é engraçado, cruel e cômico. | The streets of Rio de Janeiro are among my favorite collections, one that I realized I have been capturing over many years now. I’ve watched some great painters of mind-boggling mastery capture a sad, proud and a bewitchingly beautiful story about the world around them, an urban sphere that is belligerent yet amusing, both cruel and comical.

A rua fala mais alto sobre aquilo que é ao redor. E você só conhece uma cidade a pé: | It’s the street that tells us more about what’s going on. And you will only get to know a city on foot:

I call this “ARRESTING DEVELOPMENT”
POESIA PAQUETÁ
Is it half empty or half full?
A Casa das Pretas
na Pedra do Sal
On the bus: “I hope you’re going somewhere that makes you happy”

Posted by

A native of Chicago, Ricky Toledano has lived in Rio de Janeiro, Brazil for over twenty years as a writer, translator and teacher. [a]multipicity is multi-lingual collection of reflections through the humanities.