Gloria Arieira’s Yoga sutras of Patañjali

by Ricky Toledano

(versão em português a seguir)

Seating herself at her podium, our beloved teacher stated with uncommon dryness, “Yoga Sutras. Ok. Fine. Let’s go.” Without the ceremonious preliminaries, the singing the traditional invocations, the class had already started jarringly enough, even before Gloria Arieira abruptly opened her book and added, “But you have to know that this is not Vedanta”. She was unable to disguise her irritation in the way she flipped a page impatiently with an index finger.

My chuckle was much more effectively disguised amid the room full of people as I had never seen it at Vidya Mandir, the institute Gloria Arieira created in 1984 after returning from her studies in India under Swami Dayananda Saraswati between 1974 and 1978. The floor of the classroom on that Saturday morning in 2005 had been completely occupied. Those who arrived later had no choice but to adjust with the occasional chair or stand for the all-morning course on the Yoga Sutras of Patañjali.

She must have been livid. For although her classes had grown in size over the years, I had completed the course of the Bhagavadgita and attended classes on selected Upanishads where there might have been but ten people sitting spaciously, crossed-legged, around her. But succumbing to the pressure from the burgeoning, global fashion of yoga at the request from some of her closer students—yoga teachers who joined the growing chorus of many aspiring yogis to understand the hermetic manual from the obscure “father” of yoga—Gloria decided to give a class on the ancient text, one relegated outside the canon of Vedanta. Then, suddenly, the room was magically filled beyond capacity. Where had all those students been to hear the real explanations? The dialogue between Kṛṣṇa and Arjuna? Between Nachiketas and Death? The greatest of songs that answer not only what is the meaning of life but how to live a meaningful life? No! They wanted the Yoga Sutras.

I confess I was one of them, but I had already studied enough under Gloria-ji to know that Patañjali was hardly the creator of yoga. Even at 2,000 years ago, he was the product of a great and ancient tradition, one that Patañjali must have also studied, because—as you’ll discover in the pages of Gloria’s signature commentary that is meticulously dedicated to the original language—his usage of Sanskrit terms indicates exactly where he had reached such conclusions on how a life of discipline must be constructed to attain the highest of human endeavors: the self-knowledge that is plenitude. That means that Patañjali had not only left a legacy for his children and future generations on the secret to human fulfillment, but he had left a trail to the past, like the drops of ghee on the floor left by a naughty baby Kṛṣṇa, leading right back to the source from where he had pilfered it.

My amusement at my teacher’s irritation was in witnessing her unedited emotion. I chuckled in the solidarity of knowing that we all suffer disappointments when the results of our actions, our work, are not necessarily the ones desired, the ones we had intended. However, as I’ve learned in Gloria’s classes, there is the vision behind how one is to receive the fruits of our actions. It is the entire vision of Yoga I had discovered in another text, one in which the greatest of warriors collapses on the battlefield in the self-doubt and uncertainty as to what will be the result of his action.  That story is called the Bhagavadgita, the Song of the Lord, and it was where I collapsed, surrendering forever to the body of knowledge I had been learning under the careful instruction of Gloria-ji, right there in Vidya Mandir, where I found myself once again on a Saturday morning, but uninspired by the Yoga Sutras: why would anyone study this text when there is the Bhagavadgita?

But as we also learn in the Bhagavadgita, our disappointments are part of a larger story we cannot see. It follows that although I had never returned to even one class on the Yoga Sutras, others had not shared my opinion—and Gloria-ji had obviously changed hers. What had been planned as no more than the occasional intensive class on a text, became a regular course and one of the most successful at Vidya Mandir.  In our conversations arising when editing my manuscript, the translation of her Bhagavadgita, Gloria-ji revealed her delight in teaching the Yoga Sutras. The revelation left me aghast, and I had to confess what I had never told her: “Gloria-ji, with all due respect, I was there, years ago, on that first class of Yoga Sutra…you were so irritated!” I chuckled again, remembering her face and that index finger pointing in uncharacteristic anger. “The Yoga Sutras?” I continued uncandidly, “It is so dry! It’s like reading a user’s manual. You read it and understand nothing! It doesn’t make sense. Besides, why read the Yoga Sutras when there is the Gita?”

Gloria laughed—at both my candor and my opinion, I think.  “The text has grown on me,” she started, unfolding her reflections on the Yoga Sutras. “It dawned on me that what Sri Patañjali wanted to tell us was the importance of having clarity regarding our objective in life, as well as patience, steadfastness and perseverance—especially if, in fact, the goal is to reach final liberation, moksha. Daily life requires routine, an understanding of emotions and self-control, clarity and perseverance. Patañjali is offering us the secret of discipline, how to go about a life of Yoga for the liberation from suffering. He focuses on a life of Yoga so that the knowledge that is Vedanta can be understood. This became clear for me”.

My curiosity had been ignited and I read her translation and commentary, published by Sextante in Brazil. I had to look no further than the preface to see how much Patañjali’s message inspired her to reflect on what a life of discipline meant for her life as a mother, as a grandmother, and as a teacher in the context of the Vedic tradition. I also fell for the Yoga Sutras: where I had always found the form of sutras simplistic, I then identified the simplicity, a perfect succinctness that resonated, dispelling the cacophony that can often be encountered when dealing with a sea of words like the Vedic tradition. To me, the Yoga Sutras is like Patañjali’s notebook, rendering what he had learned from a life navigating that sea to its most essential terms.   

And it is in those terms that Gloria-ji’s signature dedication to Sanskrit has done the unprecedented. Unpacking Patañjali’s personal notebook, she fills in the Vedic context from which it came. The reader can see from where the great master of yoga had gotten terms such as Ishwara, abhyasa and moksha—as well as what they mean for him and the yogi.

When her initial irritation immediately subsided on that occasion of the very first class on the Yoga Sutras years ago, Gloria-ji explained that – in spite of the text – she would be going over the verses exactly as she had always done, according to her unwavering commitment to the Tradition. That meant that the Yoga Sutras would be explained “through the light of Vedanta”. With her permission, I chose to exclude this part from the English-language title, finding the predicate a little lengthy and more distracting than helpful for the English-language book title.  Nevertheless, her Yoga Sutra unfolds exactly as her classes: each verse is presented in its original Sanskrit form, followed by its transliteration, then its translation and finally her commentary, so that the line—the sutra—of knowledge that has been passed down from master to disciple since time immemorial remains unbroken. 

I never imagined I would leap at the opportunity to translate the Yoga Sutras in exactly the same way I had done for the Bhagavadgita, published by Motilal Banarsidas (MLBD). It was a great honor for me, just as it was an honor to have the Foreward of Mr. Arvind Pare, a teacher, who just like Gloria, has an unwavering commitment to teaching the Tradition, as well as a deep understanding of the intimate connection between Yoga and Vedanta—the disciplines of action and knowledge—for human fulfillment.

Therefore, it is with great pleasure that I present my two translations from the Padma Shri award-winning author and teacher, Gloria Arieira.

Please find below all the links to purchase our publications, and feel free to visit the English language website of Vidya Mandir, Gloria Arieira’s institute.

YOGA SUTRAS

·         US (paperback shipping worldwide and Kindle) https://www.amazon.com/dp/B08PJJLSHT

·         Brasil (Kindle):  https://www.amazon.com.br/dp/B08P817R28

·         India (Kindle):   https://www.amazon.in/dp/B08P817R28

BHAGAVADGITA:

·         US (hardcover and paperback shipping worldwide): https://www.amazon.com/Bhagavadgita-Dialogue-Between-Krsna-Arjuna/dp/8120840127/ref=sr_1_1

·         US (Kindle): https://www.amazon.com/Bhagavadgita-Dialogue-between-Krishna-Arjuna-ebook/dp/B084KSL1B1/ref=sr_1_3

·         India (Kindle): https://www.amazon.in/Bhagavadgita-Dialogue-between-Krishna-Arjuna-ebook/dp/B084KSL1B1/ref=sr_1_2

O Yoga que conduz à Plenitude: os Yoga Sutras de Patañjali, por Gloria Arieira

Texto de Ricky Toledano, traduzido por Liane Sarmento

Sentando-se em seu tablado, nossa amada professora declarou com uma secura incomum: “Yoga Sutras. Certo. Bem, vamos lá.” Sem as preliminares cerimoniosas, o canto das invocações tradicionais, a aula já havia começado de forma bastante surpreendente, antes mesmo de Gloria Arieira abrir abruptamente seu livro e acrescentar: “Mas vocês têm que saber que isso não é Vedanta”. Sua irritação ficava clara pela maneira como virava a página impacientemente com o dedo indicador.

Disfarcei um risinho com muito mais eficiência no meio da sala lotada, cheia como nunca tinha visto antes no Vidya Mandir, o instituto que Gloria Arieira criou em 1984 após retornar de seus estudos na Índia com Swami Dayananda Saraswati entre 1974 e 1978. O chão da sala de aula naquela manhã de sábado de 2005 estava completamente ocupado. Os que chegaram mais tarde não tiveram escolha a não ser sentar-se nas poucas cadeiras ou ficar de pé durante o curso que durava a manhã inteira sobre os Yoga Sutras de Patañjali.

Ela deve ter ficado furiosa, já que, ainda que suas turmas tivessem crescido em tamanho com o passar dos anos, eu havia concluído o curso do Bhagavadgita e assistido a aulas sobre determinadas Upanishads onde havia apenas cerca de dez pessoas sentadas espaçadamente, de pernas cruzadas, ao redor dela. Porém, sucumbindo à pressão da florescente moda global do yoga, a pedido de alguns de seus alunos mais próximos – professores de yoga que se juntaram ao coro crescente dos muitos aspirantes a yogis para entender o manual hermético do obscuro “pai” do yoga – Gloria decidiu dar uma aula sobre o texto antigo, relegado para fora do cânone do Vedanta. Então, de repente, a sala foi magicamente ocupada além da capacidade. Por onde haviam andado todos aqueles alunos para ouvir as verdadeiras explicações? O diálogo entre Kṛṣṇa e Arjuna? Entre Nachiketas e a Morte? A maior das canções que diz não apenas qual é o sentido da vida, mas como viver uma vida significativa? Não! Eles queriam os Yoga Sutras.

Confesso que eu era um deles, mas já havia estudado o suficiente com Gloria-ji para saber que Patañjali dificilmente teria sido o criador do yoga. Mesmo há 2.000 anos ele havia sido o produto de uma grande e antiga tradição, que Patañjali também deve ter estudado porque – como você descobrirá nas páginas do comentário de Gloria que é meticulosamente dedicado à língua original – seu uso de termos em Sânscrito indica exatamente como ele havia chegado a tais conclusões sobre como uma vida de disciplina deveria ser construída para atingir o mais elevado dos esforços humanos, o autoconhecimento, que é a plenitude. Isso significa que Patañjali não só deixou um legado para seus filhos e gerações futuras sobre o segredo da realização humana, mas também um rastro para o passado, como as gotas de ghee no chão deixadas por um travesso bebê Kṛṣṇa, levando diretamente de volta à fonte de onde ele o havia furtado.

Diverti-me com a irritação da minha professora por testemunhar sua emoção autêntica. Eu ri pela solidariedade de saber que todos sofremos decepções quando os resultados de nossas ações, de nosso trabalho, não são necessariamente os desejados, aqueles que tínhamos planejado alcançar. No entanto, como aprendi nas aulas de Gloria, existe a visão por trás de como alguém deve receber os frutos de suas ações. É toda a visão do Yoga que descobri em outro texto, em que o maior dos guerreiros desmorona no campo de batalha na dúvida íntima e na incerteza sobre qual será o resultado de sua ação. Esta história é chamada de Bhagavadgita, a Canção do Senhor, e foi onde desmoronei, rendendo-me para sempre ao conjunto de conhecimentos que vinha aprendendo sob a cuidadosa instrução de Gloria-ji, exatamente ali no Vidya Mandir, onde me encontrei mais uma vez em uma manhã de sábado, mas não inspirado pelos Yoga Sutras: por que alguém estudaria este texto quando existe a Bhagavadgita?

Mas, como também aprendemos na Bhagavadgita, nossas decepções são parte de uma história maior que não podemos ver. Concluí que, embora eu nunca tivesse voltado a assistir nenhuma outra aula sobre Yoga Sutras, outras pessoas não compartilhavam da minha opinião – e que Gloria-ji obviamente havia mudado a sua própria. O que havia sido planejado para ser não mais do que uma aula ocasional intensiva sobre um texto tornou-se um curso regular e um dos mais exitosos em Vidya Mandir. Em nossas conversas durante a edição de meu manuscrito, a tradução de sua Bhagavadgita, Gloria-ji revelou seu prazer em ensinar os Yoga Sutras. Eu estava surpreso e tive que confessar o que nunca havia dito a ela: “Gloria-ji, com todo o respeito, eu estava lá, anos atrás, naquela primeira aula de Yoga Sutra … você estava tão irritada!” Eu ri novamente, lembrando do rosto dela e daquele dedo indicador apontando com uma raiva incomum. “Os Yoga Sutras?” Continuei, sem graça: “São tão áridos! É como ler um manual de usuário. Você lê e não entende nada! Não faz sentido. Além disso, por que ler os Yoga Sutras quando existe a Gita?”

Gloria riu – tanto da minha franqueza quanto da minha opinião, eu creio. “O texto cresceu em mim”, ela começou, desdobrando suas reflexões sobre os Yoga Sutras. “Ocorreu-me que o que Sri Patañjali queria nos passar era a importância de termos clareza em relação ao nosso objetivo na vida, bem como paciência, firmeza e perseverança – especialmente se, de fato, o objetivo é alcançar a liberação final, moksha. A vida diária requer rotina, compreensão das emoções e autocontrole, clareza e perseverança. Patañjali nos oferece o segredo da disciplina, de como levar uma vida de Yoga para a libertação do sofrimento. Ele se concentra em uma vida de Yoga para que o conhecimento que é Vedanta possa ser compreendido. Isso ficou claro para mim”.

Minha curiosidade se acendeu e li sua tradução e comentário, publicados pela Sextante no Brasil. Não precisei ir além do prefácio para ver o quanto a mensagem de Patañjali a havia inspirado a refletir sobre o que uma existência disciplinada significava para sua vida como mãe, avó e professora no contexto da tradição védica. Também me apaixonei pelos Yoga Sutras: onde sempre achei a forma dos sutras simplista identifiquei a simplicidade, uma concisão perfeita que ressoou, dissipando a cacofonia que muitas vezes pode ser encontrada ao lidar com um mar de palavras como a tradição védica. Para mim, os Yoga Sutras são como as anotações de Patañjali, traduzindo o que ele aprendeu durante a vida ao navegar naquele mar em seus termos mais essenciais.   

E é nesses termos que a assinatura da dedicação de Gloria-ji ao Sânscrito fez algo sem precedentes. Descompactando as observações pessoais de Patañjali, preenche o contexto védico de onde elas vieram. O leitor pode ver de onde o grande mestre de yoga as tirou e o que ele quis dizer com termos como Ishwara, abhyasa e moksha – bem como o que eles significam para o yogi.

Quando sua irritação inicial de repente diminuiu, por ocasião da primeira aula de Yoga Sutras anos atrás, Gloria-ji explicou que – a despeito do texto – ela repassaria os versos exatamente como sempre havia feito, segundo ela um compromisso inabalável com a Tradição. Aquilo significava que os Yoga Sutras seriam explicados “à luz do Vedanta”. Com sua permissão, optei por excluir esta parte do título em inglês, considerando a afirmação um pouco longa e mais perturbadora do que útil para o título do livro em Inglês. No entanto, seu Yoga Sutra se revela exatamente como suas aulas: cada verso é apresentado em sua forma original em Sânscrito, seguido por sua transliteração, depois por sua tradução e finalmente por seu comentário, de modo que a linha – o sutra – do conhecimento que foi transmitido de mestre para discípulo desde tempos imemoriais permanece intacta. 

Nunca imaginei que aproveitaria a oportunidade para traduzir os Yoga Sutras exatamente da mesma maneira que havia feito com o Bhagavadgita, publicado pela Motilal Banarsidas (MLBD). Foi uma grande honra para mim, assim como foi uma honra ter o Prefácio escrito pelo Sr. Arvind Pare, um professor que, assim como Gloria, tem um compromisso inabalável com o ensino da Tradição, bem como uma compreensão profunda da íntima conexão entre Yoga e Vedanta – as disciplinas de ação e conhecimento – para a realização humana.

Portanto, fico muito feliz em apresentar minhas duas traduções da autora e professora vencedora do prêmio Padma Shri, Gloria Arieira.

Fique à vontade para visitar a livraria e o website de Vidya Mandir para adquirir as publicações de Gloria Arieira.

Posted by

A native of Chicago, Ricky Toledano has lived in Rio de Janeiro, Brazil for over twenty years as a writer, translator and teacher. [a]multipicity is multi-lingual collection of reflections through the humanities.

One thought on “Gloria Arieira’s Yoga sutras of Patañjali

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s